Panorama do mercado imobiliário no pós-pandemia é marcado por novas tendências e oportunidades!

31 de agosto de 2020

A pandemia do novo coronavírus gerou uma crise econômica sem precedentes na maioria dos setores. Porém, durante o período, o setor imobiliário foi um dos menos impactados e, em junho, voltou a contratar, sendo responsável por gerar e manter milhões de empregos. Dessa forma, o ramo imobiliário tem fundamental importância para o crescimento do Brasil, em especial nesse momento de crise. Fatores como linhas favoráveis de crédito, bons preços e taxas baixas de juros são vistos como os principais impulsionadores da retomada econômica.

Mesmo com o registro de baixa nos primeiros meses da pandemia, a procura por ofertas do setor imobiliário registrou alta no segundo trimestre do ano. Em Santa Catarina, o interesse pela compra de imóveis no estado aumentou 17% no segundo trimestre de 2020 em comparação com o mesmo período de 2019, segundo dados do site OLX. Casas e apartamentos para alugar também registraram crescimento de 15% nas buscas feitas pela plataforma.

Novas tendência do mercado imobiliário

As medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas ficassem mais tempo em casa e passassem a valorizar algumas características nos imóveis diversas daquelas que eram valorizadas antes da pandemia, como o tamanho maior das residências e a existência de espaço aberto ou área de varanda, por exemplo. Outra coisa que pode mudar o mercado imobiliário é a tendência do aumento de trabalho em regime home office, que faz com que as pessoas não sintam mais a necessidade de morar perto dos locais de trabalho e possam comprar imóveis mais afastados dos centros urbanos.

Essas tendências são confirmadas pela terceira versão da pesquisa “A influência do Coronavírus no mercado imobiliário brasileiro", divulgada pelo Grupo ZAP. Os dados mostraram que a procura por imóvel voltou a ganhar velocidade e que atributos como vista livre, varanda e ambientes bem divididos passaram a ser mais valorizados pelo consumidor depois da quarentena. Para 38% dos entrevistados, ter um imóvel que seja uma casa é considerado muito importante. Além disso, para 51% deles também é muito importante ter um imóvel maior.

 

A crise pode ser uma oportunidade para fazer um bom negócio

Para um bom investidor a crise pode ser vista como uma oportunidade, principalmente para aqueles que têm dinheiro para aplicar. No mercado imobiliário atual é possível encontrar negócios por preços mais baixos do que a média. Além disso, com a aquisição de um imóvel é possível gerar renda com o aluguel para terceiros, o que torna a opção ainda mais atrativa nesta época.

O fato de a taxa Selic alcançar um dos níveis mais baixos da história - caindo de 2,25% para 2% ao ano - mostra também que esse é um bom momento para investir em imóveis, já que o dinheiro parado na poupança rende pouco e os investimentos em títulos públicos e renda fixa também perderam valor. Os números confirmam essa tendência. Somente no primeiro semestre do ano, os financiamentos de imóveis feitos com recursos da poupança cresceram quase 30%. Com a queda nos juros, houve aumento em mais de 20% dos financiamentos imobiliários feitos pela Caixa Econômica Federal.

Outra coisa que é importante considerar neste momento é a segurança dos investimentos. Com empresas falindo e perdendo força fica mais arriscado investir na bolsa de valores e a compra de um imóvel pode ser a melhor forma de preservar o dinheiro e garantir a rentabilidade.

Na crise, investimentos imobiliários podem gerar lucros de até 30% ao ano

17 de agosto de 2020

Investimentos no setor imobiliário podem garantir alta rentabilidade e proteção de recursos em um período de crise provocada pela pandemia do coronavírus.

Cidades brasileiras com potencial ou alta valorização do metro quadrado, somados a análise de índices como segurança, desenvolvimento humano, turismo e crescimento industrial são indicativos utilizados por especialistas do setor na hora de encontrarem boas oportunidades.

O empresário Renato Monteiro, especialista do mercado imobiliário e diretor da Sort Investimentos, afirma que a crise atual vem trazendo grandes oportunidades de negócios.

De acordo com ele, atualmente, é possível encontrar imóveis com valores até 40% abaixo da média de mercado, que garante ao investidor lucros consideráveis em médio ou longo prazos. Ou seja, na prática, é possível aplicar mais com menos.

“Quem tem recursos para aplicar em imóveis hoje pode conquistar uma eficiência quatro vezes maior do que se tivesse investido há oito meses. Por exemplo, quem tem R$ 5 milhões consegue comprar mais por menos e esse valor pode se transformar em R$ 20 milhões daqui uns quatro ou cinco anos, com margem de lucro que pode chegar a 25%, 30% ao ano”, analisa.

Porém, o especialista alerta que para conseguir o desejado lucro é preciso, além de condições para investir, contar com uma assessoria em investimentos que conheça profundamente o mercado para indicar as oportunidades rentáveis, além de oferecer suporte necessário em todo o processo, incluindo partes jurídica, contábil e administrativa.

Oportunidades lucrativas no mercado imobiliário do litoral

A grande vantagem de investir em imóveis neste momento de crise são as oportunidades.

Os benefícios aos investidores aumentam consideravelmente quando se trata do mercado de luxo em Santa Catarina, pela solidez das construtoras envolvidas e altas margens de retorno financeiro.

O empresário afirma que a região do litoral norte catarinense, especialmente o Vale do Itajaí, é destaque em termos de indicadores de crescimento.

No topo da lista, o município de Balneário Camboriú, normalmente tem uma valorização em torno de 15% anual, bem acima da inflação, dependendo do imóvel e localização.

“Com ótimas oportunidades de negócios abaixo do preço habitual de mercado, neste momento de pandemia, é hora de investir e de se posicionar para liquidez na volta cíclica da economia. Com a identificação dos produtos certos e dependendo do montante que será aplicado é possível obter uma lucratividade de 30% ao ano, ou seja, o dobro da valorização tradicional da área”, exemplifica.

Vizinhas de Balneário Camboriú, a badalada Praia Brava, em Itajaí, e o município de Itapema são outros exemplos de localidades indicadas para investimentos na construção civil de luxo, com ritmo positivo de crescimento e valorização, de acordo com o especialista. Locais ainda pouco explorados nas redondezas também estão na mira de investidores. É o caso de cidades como Navegantes e Penha.

“Navegantes é a única do Brasil que tem porto, aeroporto e praia, além de estar ao lado de um parque temático e ter as duas maiores empresas de pescados do país. A cidade está se desenvolvendo de forma significativa e tem, com certeza, um futuro brilhante. Dentro desse perfil é um dos melhores lugares para se investir nos próximos 10 anos. O município de Penha, com suas belas praias, também próxima a importantes áreas industriais e por concentrar o parque Beto Carrero é outro exemplo”, destaca.

 - via https://www.economiasc.com