5 dicas para melhorar as vendas por telefone!

28 de novembro de 2016
 

Confira 5 dicas práticas para você melhorar as vendas por telefone imediatamente.

Vender é uma arte milenar. Muito antes de surgir o sistema de compras e vendas que conhecemos hoje, a humanidade já vendia. Nossos ancestrais trocavam entre si mercadorias e, desde aquela época, só os melhores negociadores eram escolhidos por seus líderes para ir a campo para se estar na frente no mercado listamos cinco dicas para melhorar as suas vendas por telefone:

1. Ligue nos momentos certos

É preciso usar o bom senso ao escolher o momento de ligar para o cliente, caso você não tenha definido um horário para o contato com o cliente. Algumas pesquisas apontam que o melhor momento para realizar uma ligação de prospecção é entre 16h e 17h, o segundo melhor horário é entre 8h e 10h.

2. Saiba ouvir

Faça perguntas ao cliente para entender perfeitamente o que ele almeja. Segundo pesquisas, em apenas 40% dos casos o consumidor sabe exatamente o que quer comprar. Lembre-se que os vendedores que falam demais tendem a cansar e a irritar quem está do outro lado.

3. Adapte a linguagem de cada telefonema

Cada cliente é diferente, então cada venda também deve ser. Utilize uma linguagem específica para cada cliente, que torne o atendimento especial e individual. Não adianta falar com um leigo com uma linguagem técnica e com alguém que tenha maior conhecimento do assunto de maneira rasa. Mostre que você é capaz de traduzir em linguagem simples todos os termos técnicos, e a além disso, mostre que você é um vendedor especialista no mercado imobiliário.

4. Use técnicas de venda simples e eficazes

Existem 3 técnicas de vendas que funcionam muito bem em contatos telefônicos, e ajudarão a melhorar as vendas por telefone. O primeiro passo é apresentar para o cliente a solução ideal para a sua situação. Após ter criado valor no primeiro passo, você deve falar o valor do negócio, se referindo a ele como investimento, e não preço. Por último, após expor os valores, o cliente inconscientemente fará a conta de quanto ele irá gastar, e por isso é essencial reforçar os benefícios que o negócio trará para ele.

5 – Seja entusiasmado, paciente e persistente

O cliente só vai dar o “sim” que você espera se você conseguir encantá-lo. Não se esqueça, seu cliente já foi abordado por outros vendedores, então se você conseguir despertar entusiasmo dele, é com você que ele vai comprar.
O ciclo de venda pode ser longo, dependendo do público-alvo e das características do produto ou serviço que você oferece. O importante é não tentar pular nenhuma das fases, você precisa se manter no domínio da venda. Acredite que você não está oferecendo apenas um produto, mas sim um benefício, uma solução para a vida de quem compra.

Também esteja preparado para não vender – mas sem deixar que as portas se fechem, se coloque sempre à disposição para retomar a conversa – e esteja pronto para começar tudo de novo. Um bom vendedor é, acima de tudo, alguém que gosta de criar e manter bons relacionamentos.

Post produzido por Blog da Lopes.

Fonte:  Viva Corretor - Viva Real

Taxa de juros para financiamento de imóveis é reduzida

21 de novembro de 2016

Taxa de juros para financiamento de imóveis é reduzida pela Caixa

Saiba como ficou o percentual da taxa de juros para financiamento em cada um dos sistemas da Caixa Econômica Federal.

A Caixa Econômica Federal, responsável pelo maior número de financiamentos de imóveis do Brasil, anunciou redução das taxas de juros. Os novos valores mudam de acordo com o sistema utilizado e varia também se a pessoa é servidor público e correntista do banco. O financiamento é uma das questões que mais pesam para os brasileiros no processo de compra de um imóvel. Esse é um dos motivos pelo qual a notícia é bem-vinda por quem está em busca de uma residência, já que as altas taxas de juros podem adiar o sonho de comprar a casa própria.

Os novos números das taxas de juros começaram a valer desde o dia 9 de novembro. Os sistemas de financiamento da Caixa são o SFH (Sistema Financeiro Habitacional) e SFI (Sistema Financeiro Imobiliário), sendo o primeiro o mais popular. Para saber qual taxa de juros será aplicada ao financiamento do imóvel, os compradores precisam entender em qual sistema ele se enquadra e analisar o seu próprio perfil. Além desses dois pontos, deve ser feito o cálculo do financiamento junto ao banco para entender melhor como os juros pode se tornar vantajosos no decorrer do pagamento.

Taxa de juros para financiamento no SFH

Para a aprovação do financiamento no Sistema Financeiro Habitacional o valor do máximo do imóvel deve ser de R$ 750 mil em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Distrito Federal e R$ 650 mil nos demais estados do País. Todas as taxas tiveram redução de 0,25 ponto percentual. Os juros para financiamento mais baixos continuam sendo para os servidores públicos que recebem o pagamento do salário pela Caixa Econômica. Antes o valor estava em 10% e com a atualização caiu para 9,75%. Veja como ficou:

  • Queda de 10% para 9,75% ao ano para servidores públicos que recebem salário na Caixa;
  • Redução de 10,5% para 10,25% ao ano paraservidores públicos;
  • Diminuição de 10,5% para 10,25% ao ano para clientes do banco;
  • Queda de 11% para 10,75% ao ano para clientes sem conta corrente na Caixa;
  • Para os não clientes da Caixa, a redução foi de 11,25% para 11% ao ano.

Valor de taxa de juros para financiamento no SFH

Para os financiamento que não entram no perfil do SFH, a Caixa possui o SFI. Ele ajuda a nortear custos para grandes instituições e investidores. Todos os valores da taxa de juros também caíram 0,25 pontos percentuais. Os juros mais baixos continuam sendo para os servidores públicos que recebem salário na Caixa. Veja como ficou:

  • Queda de 11% para 10,75% ao ano para servidores públicos que recebem salário na Caixa;
  • Redução de 15,5% para 11,25% ao ano para servidores públicos;
  • Diminuição de 11,5% para 11,25% ao ano para clientes do banco;
  • Queda de 12% para 11,75% ao ano para clientes sem conta corrente na Caixa;
  • Para os não clientes da Caixa caiu, de 12,5% para 12,25% ao ano.

Outra novidade no financiamento

Junto a redução da taxa de juros para financiamento, a Caixa também anunciou outra medida. O foco é o mercado de imóveis populares e de baixo custo, tanto os novos quanto os usados. Nesse caso, o banco diminuiu o valor do financiamento no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) de R$ 100 mil para R$ 80 mil. As taxas de juros para financiamento diminuem por conta da redução da Selic, a taxa básica de juros do Brasil, e das projeções de queda ainda maiores.

No País, a Caixa é a maior financiadora imobiliária. Outros bancos tendem a seguir a mesma linha e também podem vir a diminuir as taxas de juros aplicadas para a compra de imóveis usados, novos e na planta. No ano passado, a Caixa realizou diversos aumentos das taxas de juros. As reduções dos valores ajudam a fomentar ainda mais o mercado imobiliário e estimular o setor da construção civil brasileira.

Fonte: Blog Viva Real

Governo lança programa social de reformas

14 de novembro de 2016

Governo lança programa social de reformas para famílias de baixa renda

Cartão Reforma vai oferecer R$ 5 mil, em média, às famílias

O governo anunciou na última semana o Cartão Reforma, criado para atender as famílias de baixa renda. O programa vai oferecer o valor médio de R$ 5 mil às famílias com renda bruta de R$ 1.800 para a compra de materiais de construção para reforma, ampliação ou conclusão de moradias.

O início do programa está previsto para 2017 com orçamento inicial de R$ 500 milhões. Os recursos serão repassados pelo Ministério das Cidades, via Caixa Econômica Federal. No Brasil, existem 7,8 milhões de moradias que precisam ser reformadas. Destas, 3,6 milhões pertencem às famílias que se encaixam no programa, segundo o ministério.

O ministro das Cidades Bruno Araújo diz que o programa é flexível e que os Estados e municípios podem disponibilizar mais recursos para demandas locais. “Estamos conscientes de que é preciso construir um programa transparente, duradouro e sustentável para que esta parceria ultrapasse governos e colabore com a queda do déficit habitacional qualitativo”, explica.

Além de prever a melhoria de casas das famílias de baixa renda, o Cartão Reforma também tem o objetivo de estimular a indústria nacional, os comércios locais e gerar emprego e renda para a região.

Fonte: Zap Imóveis